BLOG CELLA

Archive for fevereiro, 2010

O que será

28 de fevereiro de 2010 11:05 pm

O que será (abertura) (Chico Buarque)

E todos os meus nervos estão a rogar
E todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo

O que será que lhe dá
O que será meu nego, será que lhe dá
Que não lhe dá sossego, será que lhe dá
Será que o meu chamego quer me judiar
Será que isso são horas dele vadiar
Será que passa fora o resto do dia
Será que foi-se embora em má companhia
Será que essa criança quer me agoniar
Será que não se cansa de desafiar
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem juízo

O que será (à flor da terra) (Chico Buarque)

O que será que será
Que andam suspirando
Pelas alcovas?
Que andam sussurrando
Em versos e trovas?
Que andam combinando
No breu das tocas?
Que anda nas cabeças?
Anda nas bocas?
Que andam acendendo
Velas nos becos?
Estão falando alto
Pelos botecos
E gritam nos mercados
Que com certeza
Está na natureza
Será, que será?
O que não tem certeza
Nem nunca terá!
O que não tem concerto
Nem nunca terá!
O que não tem tamanho…

O que será? Que Será?
Que vive nas idéias
Desses amantes
Que cantam os poetas
Mais delirantes
Que juram os profetas
Embriagados
Está na romaria
Dos mutilados
Está nas fantasias
Dos infelizes
Está no dia a dia
Das meretrizes
No plano dos bandidos
Dos desvalidos
Em todos os sentidos
Será, que será?
O que não tem decência
Nem nunca terá!
O que não tem censura
Nem nunca terá!
O que não faz sentido…

O que será? Que será?
Que todos os avisos
Não vão evitar
Porque todos os risos
Vão desafiar
Porque todos os sinos
Irão repicar
Porque todos os hinos
Irão consagrar
E todos os meninos
Vão desembestar
E todos os destinos
Irão se encontrar
E mesmo padre eterno
Que nunca foi lá
Olhando aquele inferno
Vai abençoar!
O que não tem governo
Nem nunca terá!
O que não tem vergonha
Nem nunca terá!
O que não tem juízo

O que será (à flor da pele) (Chico Buarque)

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta os olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida nem nunca terá
O que não tem remédio nem nunca terá
O que não tem receita…

O que será que será,
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso nem nunca terá
O que não tem cansaço nem nunca terá,
O que não tem limite…

O que será que me dá,
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha nem nunca terá
O que não tem governo nem nunca terá,
O que não tem juízo

Flash Mob em Curitiba

10:55 pm

Caros @MarlusArns e @AurelioPeluso, procurei vocês aí, onde estavam?

Ver mais flash mobs aqui, aqui e aqui e aqui.

Fora da casinha em Curitiba

10:27 pm

Para entender a crise dos 40

10:25 pm

El 5 de abril se presenta el “Diccionario de americanismos”

7:40 pm

cervantes

El español de América protagoniza el Congreso de la Lengua. Durante el encuentro, que reúne a 22 academias, se presentará el Diccionario de americanismos, un recorrido por la historia del castellano en Latinoamérica que muestra la diversidad del idioma

Por Winston Manrique Sabogal

Una F y una Y de color verde fueron las dos primeras letras del castellano que vieron los nativos de unas tierras de ultramar llamadas Indias.

Ondeaban en el palo con el que Cristóbal Colón desembarcó en la playa antillana, recién empezado el viernes 12 de octubre de 1492. Fue la primera vez. En Guanahani. Luego vendrían otras playas y otros hombres con la misma bandera donde las iniciales de los reyes Fernando e Ysabel escoltaban una cruz verde en el centro.

Ssssttt… ¡Escuchar! Imaginar el sonido de aquellas primeras palabras de Colón y de los nativos. Abismados ambos ante los sonidos ajenos y luego esos mismos sonidos estrenados en sus propias bocas. Porque el primer mestizaje de los dos mundos fue sonoro.

Quinientos diecisiete años después, 350 millones de americanos, más los 46 millones de españoles, han convertido ese idioma en la segunda lengua global más hablada del mundo, la tercera más usada en Internet, la cuarta del planeta y la de mayor difusión de las lenguas romances. El principal y más extraordinario petate que llegó a las llamadas Indias.

Desde entonces palabras nacidas en España y en el continente recién descubierto no han dejado de mezclarse. De reinventarse y de crearles nuevos significados. Una lengua que encontró en América un gran relicario porque buena parte del léxico suele tener allí una vida más activa y larga que en la España que lo creó, al tiempo que es un semillero de nuevas voces…

Chévere, trucho, sirifico, guagua, operia, chingada, yapa, ababachado, bivirí, menso, pibe, polola, acupear, catizumbada, puspu, escuincle, guaricha, chimichurri…

Y más de setenta mil voces, lexemas complejos, frases y alocuciones recogidas ahora en el Diccionario de americanismos elaborado por la Asociación de Academias de la Lengua Española, bajo la coordinación de su secretario general, Humberto López Morales, nacido en Cuba, académico de Puerto Rico y habitante de Madrid desde 1994. Y sus palabras sirven de guía para desandar la historia del español en América a través de cinco hechos clave. “Allá se tiene asumida y más interiorizada la diversidad de la lengua, que nunca se ve mal ni choca, como, a veces, ocurre en España”.

Policéntrico y polifónico. Ésas son dos características de un idioma llamado castellano o español. Pero con una unidad envidiable porque sus hablantes comparten un 80% de su vocabulario. “Su diversidad es enorme, ya que 20 países lo tienen como lengua oficial”, dice López Morales. “Todo el mundo te entiende y tú entiendes por el contexto, con lo cual no hay posibilidad de que una conversación quede interrumpida, como sucede con otras lenguas”.

Pero no siempre fue así. Y hace dos siglos, lo que pudo ser una crisis derivó en una grandeza.

III NO HAY MAL QUE POR

BIEN NO VENGA

A principios del siglo XIX el mundo estaba alebrestado y el imperio más grande que ha tenido la Tierra empezó a caer como fichas de dominó. Pero como no hay mal que por bien no venga ocurrió el tercer hecho clave en la historia del castellano que habría de asegurarle el futuro. Para entonces, la lengua ya era mestiza y había incorporado muchos americanismos, entre los que destacaban comestibles que revolucionaron la cocina, además de nombres de animales, prendas de vestir y mil cosas más:

Chocolate, patata, tomate, maíz, aguacate, tabaco, enagua, canoa, colibrí, huracán, caníbal, cóndor, sabana, hule, caribe…

Cuando en 1810 empezaron las independencias hispanoamericanas sólo una de cada ocho personas hablaba castellano, tres millones, aproximadamente. “¡Nada! Comparado con el resto de la población, que sobrepasaba los veinte millones”, recuerda el secretario de las Academias. “Los sacerdotes y misioneros habían cristianizado muy bien, pero no necesariamente en español. Entonces, para ganarse la confianza de los nativos, aprendieron sus lenguas o dialectos, y así salieron ganando lenguas nativas como el quechua o el nahua”.

Creadas las jóvenes repúblicas, apareció uno de los usos políticos del idioma más eficaces al buscar la consolidación y cohesión de sus países, Estados y gobiernos alrededor de la promoción y fomento del castellano. Una labor intensa, pues básicamente lo hablaban los españoles y algunos criollos.

Esa paradoja de que fueran las ex colonias, tras aquel revolú de entre 1810 y 1830 de las independencias, las que vivificaran el idioma y lo encarrilaran hacia el futuro es una de las principales fuerzas de la América hispana. De aquellos tiempos procede parte de los modales y formas de hablar de los hispanoamericanos. Despachada la Corona española a la Península, quienes se quedaron y lo hablaban pertenecían a familias que ostentaban buena parte del poder político, económico, social y cultural. Eso obligaba que la gente a su alrededor (sirvientes, obreros, campesinos o empleados) debía hablarles en un castellano respetuoso, amable, suave, correcto y, en muchos casos, pidiendo permiso. Mestizos, mulatos, indígenas o negros solían depender de ellos en muchos aspectos; mientras unos y otros dejaban sus lenguas maternas en la puerta de la iglesia para atender la misa en latín.

…Y después en el atrio todo eran intentos de corrección lingüística cuya fuerza y cohesión idiomática había empezado, en una especie de vaticinio, tres siglos atrás.

II NADIE SE MUERE

LA VÍSPERA

Unos dos meses antes del Descubrimiento de América, el filólogo Elio Antonio de Nebrija presentó a la reina Ysabel la Católica la primera Gramática de la Lengua Castellana. El segundo hecho clave en el destino del castellano. Cuando todo era incertidumbre en Castilla y estaban a punto de comprobar que nadie se muere la víspera

Una chiripa cambió la historia de la humanidad gracias al extravío de las carabelas, la Niña, la Pinta y la Santa María, al mando del almirante Cristóbal Colón, patrocinado por la misma reina que acababa de tener en sus manos la Gramática. Al caer la noche del 11 de octubre de 1492, un marinero de la más velera de las carabelas, la Pinta, gritó las primeras palabras que llevó el viento caribeño hasta el nuevo mundo:

“¡Tierra! ¡Tierra!”.

“Luego vieron gente desnuda, y el Almirante salió a tierra en la barca armada, y Martín Alonso Pinzón y Vicente Yánez, su hermano, que era capitán de la Niña. Sacó el Almirante la bandera y los capitanes con dos banderas de la Cruz Verde, que llevaba el Almirante en todos los navíos por seña, con una F y una Y: encima de cada letra su corona, una de un cabo de la cruz y otra de otro. Puestos en tierra vieron árboles muy verdes y aguas muchas y frutas de diversas maneras”, según el Diario de Colón en transcripción de Fray Bartolomé de Las Casas.

Fue la primera vez que América se hizo palabra y voz. Luego se haría de crónicas, leyendas, utopías, mitos y versos.

“Salían a mirar nuestros navíos

Volvían a los bosques espantados,

Huían en canoas por los ríos,

No saben que hacerse de turbados”.

Es la visión de Juan de Castellanos (1522-1607) en Las elegías de varones ilustres de Indias, el poema más largo del español donde en 113.609 versos repasa el descubrimiento y la conquista. El primer poema realmente americano en lengua castellana y escrito por un sevillano que vivía en América. Lengua de ida y vuelta y de regreso y vuelta. La primera gran muestra de la polinización del castellano.

“Él es el mejor ejemplo que España puede mostrar de que su labor en América no fue un mero saqueo, un exterminio y un acto de depredación”, ha dicho el escritor colombiano William Ospina, autor de la biografía del poeta, Las auroras de sangre (Belacqua), a través del gran poema del sevillano. “España merecía saber todo eso: abandonar un poco la fascinación por el costado épico de su conquista y ver la magnitud de su diálogo con otro mundo, su capacidad de arraigar en él, la explicación de por qué un continente habla la lengua castellana. No fue por las espadas ahogadas en sangre, sino porque esta lengua fue capaz de amar a América y de cantarla”.

“Pues porque nuestro mundo poseyese

Un mundo tan remoto y escondido,

Y el sumo Hacedor se conociese

En mundo donde no fue conocido,

Levantó Dios un hombre que lo diese

A rey que lo tenía merecido,

Y ansí los dos y sus distantes gentes

Vinieron a ser deudos y parientes”.

I EL MAL PASO HAY QUE

DARLO RÁPIDO

Dos años antes de morir Juan de Castellanos, en 1607 en Colombia, donde vivió sus últimos treinta años, apareció la primera parte de Don Quijote de La Mancha, de Miguel de Cervantes. La historia del hidalgo que ha trascendido los siglos y hecho más universal una lengua nacida entre finales del siglo X y comienzos del XI. De esa época proceden los textos bautismales (Glosas Emilianenses) escritos en lengua romance y que están en el Monasterio de Yuso, en San Millán de la Cogolla en La Rioja (España).

Surge de la decantación de doce o trece siglos del latín vulgar del imperio romano, propagado por la Península desde el siglo III antes de Cristo, que se fue imponiendo en la región. La misma historia que repetiría el castellano en América. Recogida hacia el norte de la Península, tras la invasión musulmana, el español se afianzará durante el reinado de Alfonso X el Sabio (1252-1284) que acepta la escritura de obras importantes en esa lengua desdeñada hasta entonces.

IV MAMANDO GALLO

Mil años después de su origen, y de meandros miles, el español parecía sestear ante el mundo. Hasta que ha despertado como el Parangaricutirimicuaro de México que un día de 1943 liberó todo su fuego guardado durante milenios. Precisamente en un país, afirma el secretario general de las Academias, “cuya labor de difusión del castellano en el siglo XX ha sido destacable porque las campañas iban encaminadas a tenerla como segunda lengua, después de la indígena respectiva de cada región que también se reforzaba. La idea fue sumar y no restar”.

Sólo que los otros 18 países no tuvieron la misma suerte. En esa expansión del castellano, propiciada por españoles y americanos, se ha eliminado o eclipsado la diversidad idiomática de un continente que pudo llegar a tener más de 120 familias de lenguas, varias de las cuales se derivan en otros tantos centenares de lenguas o dialectos.

Pero los americanos han hecho del castellano su El Dorado y pasaron de conquistados a conquistadores. Le ha tomado del pelo y mamado gallo a todo el mundo. Tras su irrupción a finales del siglo XX se ha embalado en el XXI aumentando su influencia internacional ya no sólo por el número de hispanohablantes sino también por las escuelas de español y el Instituto Cervantes en todos los continentes.

Es una alegre bullaranga donde nueve de cada diez personas que lo hablan proceden de América o son de origen hispanoamericano. Ésa es la cuarta clave que le garantiza su porvenir. Se calcula que en el año 2050 lo hablará una de cada diez personas en el mundo, y Estados Unidos pasaría a ser el primer país con más hispanohablantes desbancando a México.

Es un español frondoso que revive palabras y juega con ellas sin miedo. Hay dos tipos de fenómenos, aclara López Morales: “Las palabras que han desaparecido casi o totalmente en España y que siguen vivas en América con el mismo sentido de siempre y otras que se usan pero con un sentido diferente. Palabras como friolero que en regiones de América ha pasado a ser friolento. Las que han desaparecido mucho en España son las de origen marinero pero que en América siguen vivas. La diferencia es que en el uso del español hay diferencias de nivel. En Hispanoamérica no tienes que ser un profesor o estudiante universitario para hablar correcta y adecuadamente, e incluso con una cierta elegancia, lo que no siempre sucede en España”.

V LA EDUCACIÓN NO PELEA

CON NADIE

De aquellas F e Y reales que custodiaban una cruz verde sólo queda el ritmo ondeante que les daba la brisa caribeña. Son muchas circunstancias físicas, geográficas, psíquicas y creativas funcionando y que vivifican el idioma.

“En América la fantasía e imaginería popular y las metáforas son sorprendentes. Se producen sinónimos que a veces son difíciles de interpretar pero donde siempre hay un por qué”, explica el académico. Como en todos los idiomas, lo escatológico y lo sexual reinan en la sinonimia para evitar, por ejemplo, llamar por su nombre a los genitales. Pero, claro, añade López, “llega un momento en que éstos también se tabuizan y no pueden ser utilizados. También hay casos de destabuización, sobre todo en los jóvenes.

Ese pudor y deshinibición a la hora de hablar es una de las diferencias a ambos lados del Atlántico. En América existe un mayor grado de pudor lingüístico debido a la tradición, a la educación y a la influencia religiosa. Si a alguien se le escapa en público un “coño” es una cosa escandalosa. Una ofensa. Por no hablar de si se dice en un periódico, en la televisión o en la radio. “Es muy mal visto, vulgar y una falta de respeto. Si se puede decir bien para que lo dices mal. No es mojigatería. Es respeto al otro y saber estar”. O como dirían abuelas y profesores latinoamericanos: La educación no pelea con nadie.

Pero sí rumbea. Y su mejor pareja son las palabras. El español empezó a seducir al resto del mundo aliado con la música. Palabra, sentimientos e historias hechas música y baile. Un romance que empezó hace cien años con el llanto del bandeón acompañando letras de tango:

“Sus ojos se cerraron

Y el mundo sigue andando,

Su boca que era mía

Ya no me besa más.

Se apagaron los ecos

De su reír sonoro

Y es cruel este silencio

Que me hace tanto mal…”

Y al tango como carta de presentación universal le seguirían las ilusiones y desamores del bolero y la ranchera, el swing de las grandes orquestas tropicales, y a éstas el sabor de la salsa, y a ésta otros ritmos más jacarandosos. Y, en mitad de la rumba, el éxito planetario de su literatura con sus nuevos mundos nuevos, ya antes renovadas por Rubén Darío, y, claro, las telenovelas. Lo que convierte su cultura en el quinto hecho clave de la historia del español y esencial para su porvenir. Porque, dice Humberto López, “vale lo mismo el español de Honduras que el de España o el de Argentina”.

Atrás, a 517 años, queda la América nacida como puerto de llegada para convertirse en un gran puerto de embarque hacia todos los destinos del mundo.

América descodificada

El Diccionario de americanismos es fundamentalmente un diccionario descodificador, explica el Secretario General de la Asociación de Academias de la Lengua Española, Humberto López. El objetivo es que la gente conozca una palabra o expresión de América y se sitúe. Así todos los textos escritos allá pueden ser entendidos en el mundo. Es un diccionario, según López, que “viene a llenar un vacío. Hasta ahora si alguien quería conocer algún americanismo tenía que comprar o leer el diccionario de Morinigo que lleva treinta y tantos años”.

Se trata de una idea centenaria, y puesta en marcha en 1998 con el trabajo de las 22 academias. Cada una propuso, envió, revisó y aprobó las palabras y definiciones coordinadas en Madrid. El diccionario, el más completo del léxico americano, tiene 2.500 páginas, más de 70.000 entradas, unas 120.000 acepciones, sinónimos y variantes en la mayoría de las voces, etimología o procedencia de las palabras en la mayoría de casos. “Es un aire fresco que entra sobre todo para el público español. Un trabajo rompedor desde la lexicografía en general”, y concluye López: “Se lo debíamos a los hispanoamericanos”.

Diccionario de americanismos. Asociación de Academias de la Lengua. Santillana. Madrid, 2010. 2.500 páginas. 75 euros.

Liberdade de expressão no Brasil?

4:05 pm

censura-01

Da Wiki do Partido Pirata

Por uma chamada a ações contra a prática de pressionar juridicamente os blogs com o intuito de limitar a liberdade de expressão, limitar o compartilhamento de opiniões, limitar o mapeamento da realidade que o nosso registro sensível de blogueiro narra nas micro-crônicas espalhadas mundo afora. Nenhum estabelecimento comercial, marca registrada, editora de produtos culturais, nenhum desses elementos está em posição de julgar que impressão ou opinião podemos ou não publicar. E esta chamada se concentra na alternativa que estas organizações procuram para exercer, de facto, esse poder castrador.

Prática simplesmente de procurar, através de processos com os mais variados argumentos, afundar os blogueiros em processos, defesas, juridiquês, etc. onerando-os com o peso da defesa. Perdemos bons companheiros nessa palhaçada, tivemos que recuar vários posts, blogueiros foram proibidos de tocar em temas, banners espalhados pela web foram proibidos, etc. Sem contar os custos da defesa, as negociações infinitas e a jurisprudência que (quase) nada entende do desenvolvimento tecnológico ou da liberdade de expressão, mas atende sempre aos melhores advogados (leia-se: os mais caros).

Proposta: realizarmos um dossiê sobre o assunto, em frente ao último ataque: editoras processando o blog da Denise Bottmann. Para, pensando inclusive na urgência do marco civil da internet, identificarmos os meios de proteger nossos diários online.

Casos Conhecidos

Nova Corja

Vítimas de intimdação jurídica, blog fecha no dia 6 de agosto de 2009.

Fontes:

  1. Marcelo Träsel

Não Gosto de Plágio

Blog processado por denúncia de plágio. Intimidação por parte das Editoras.

Fontes:

  1. Não Gosto de Plágio

Opiniões sobre José Geraldo Riva

Juiz no Mato Grosso determinou que blogueiros não emitam opiniões pessoais contra o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso José Geraldo Riva (PP), sob pena de multa de R$ 1 mil.

Lista de blogs processados ou ameaçados juridicamente

Via Quero ter um blog

Processado 14 vezes: Blogueiro processado 14 vezes usando-se fotocópias do mesmo processo

Claudia Mello vs Médico: Blogueira condenada a pagar indenização a médico Um post que reproduz, no final, o artigo que rendeu o processo Desencalhamos vs Di Roma: Print do cache do Google do artigo do blog Desencalhamos que sofreu intimidação jurídica pela Di Roma Chocolates (pois o post foi tirado do ar e, em breve, o cache também deve desaparecer).

Este post, de um outro blog, explica o caso

Driblando a justiça: Blogueiros trabalham em conjunto para driblar decisões judiciais

Manga com Pimenta vs família da Ofélia: Blogueira ameaçada de processo por criar posts inspirados em livro

Blogueiro vs Folha: Blog que teve campanha tirada do ar por uso da logo

Condenado a pagar 16 mil por comentário anônimo: Blogueiro condenado a pagar 16 mil reais por comentário anônimo feito em seu blog

O caso clássico do Gravataí Merengue: Caso similar, do Gravataí Merengue comentário anônimo desencadeia processo

Alcinéia Cavalcanti vs Sarney:O caso de Alcinéia Cavalcanti, condenada por criticar o senador José Sarney

Resenha em 6 vs O Pior Bar do Sistema Solar: O caso do Blog Resenha em 6, que teve de tirar seu post sobre o Boteco São Bento, no entanto o post está reproduzido em muitos blogs mundo afora

Blogueira vs Empresa de Hospedagem: Caso de blogueira que foi processada após deixar empresa de hospedagem de site, sendo que a empresa tinha conhecimento do artigo antes de ela ter deixado de ser cliente

Twitter Brasil: caso do blog Twitter Brasil, processado porque a justiça confundiu o blog com o próprio Twitter!

Cadê o Atum vs Clínica Veterinária: Post em cache no Google do blog Cadê o Atum que também rendeu entreveros jurídicos. O post não saiu do ar. Apenas o nome da clínica foi retirado do texto.

Leia o post aqui

Telefônica vs Virgílio Freire: Telefônica processa Virgílio Freire

Dia de Folga vs empresa de hospedagem – Nas palavras da Lu Monte, editora do blog: “O diadefolga também sofreu ameaça há anos de um serviço de hospedagem, por causa desse post: A saga. Recebi “notificação extrajudicial” por email. Respondi também por email, justificando o post a partir do “animus narrandi” e rebatendo acusações vazias que me fizeram na notificação. Não deu em nada. Não alterei o post.” É assim que se faz.

Blogueira Alê Félix vs Amarula – A empresa da bebida alcóolica para moças tirou o domínio do blog da editora do ar. [http://pages.citebite.com/d2j0s2a6n3wpr Leia a história

Manual de Sobrevivência em São Paulo versus Rancho da Traíra – A história ficou resolvida retirando-se a logomarca da empresa, mas o post com a crítica e o nome do restaurante permaneceu. Veja O post que rendeu o entrevero

Nova Corja vs Políbio Braga: ” Leia o post que explica o caso

Bodega Cultural vs Mauricio Savarese: leia também o post que explica o caso e o post que originou o conflito

Design Blog vs Kmisetas: o Canha é ameaçado de processo por emitir sua opinião sobre o atendimento de uma loja que vende camisetas online. Leia a história e leia: Comprar camisetas online: o post que originou o conflito

Blog Pristina vs Ag407 – leia a [http://www.bluebus.com.br/show/2/91498/ag407_ganha_liminar_contra_blog_pristina_org_por_difamacao_mandou_nota nota sobre a derrota do blog na justiça

Blog NokiaBR vs Nokia – apenas notificado judicialmente, preferiu tirar o domínio do ar. Cito: “Como muitos de vocês repararam, o blog NokiaBR saiu do ar desde o dia 05/01/2010, dia em que recebi uma notificação extrajudicial do escritório de advocacia responsável por defender as marcas da Nokia. A notificação exigia, dentre outras coisas, que eu cancelasse imediatamente o domínio do blog. Ora, o simples fato de cancelar um domínio sem poder nem apontar para outro lugar, ainda que temporariamente, enterra qualquer site ou blog. E, infelizmente, assim foi feito no mesmo dia da notificação.”

Leia tudo no Blog da Garota Sem Fio. No fim a Nokia admitiu que cometeu um erro ao notificar o blog: leia aqui

Mulher Aspirina vs o fabricante da Aspirina – um caso de uso de marca registrada na URL e no nome do blog. Leia mais no Efetividade

Fontes:

  1. Amigos da Presidente Dilma

liberdade_almap

Um típico sábado curitibano

3:22 pm

Ontem pela manhã passei pelo Mercado Municipal de Curitiba para ver o movimento e sentir todos os prazeres que esse programa evoca, após o que, logo ali perto, fui até o Seu Garçom para saborear uma deliciosa feijoada acompanhada de caipirinhas e ao som do excelente chorinho tocado no bar, que ficou ainda melhor por conta do friozinho que aos poucos começa a retornar à cidade. Lá me encontrei com Orides Mezzaroba e Carolina, que coincidentemente estavam em Curitiba por conta de uma banca de doutorado havida no dia anterior na UFPR.

De lá fomos saborear um capuccino e um picolé italiano na Tienda Design e, para completar a tarde, dirigimo-nos à Tabacaria Varadero para queimar um charuto e tomar umas doses de uísque, onde nos encontramos com o Carlos Luiz Strapazzon e o Sérgio Seleme.

Por fim, restava a cada um voltar a seus lares para uma soneca reconfortante.

Orides e Carolina

Orides e Carolina

Chorinho no Seu Garçom

Chorinho no Seu Garçom

Carlos Luiz Strapazzon e Orides Mezzaroba, na Tabacaria Varadero

Carlos Luiz Strapazzon e Orides Mezzaroba, na Tabacaria Varadero

Mindlin, um mecenas que não fazia nada sem alegria

2:41 pm

minldin_paulopinto_600

Por Antonio Gonçalves Filho, de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – O ex-libris de José Mindlin, selo pessoal que o bibliófilo colocou em sua coleção de livros raros, não poderia identificar melhor quem foi o empresário, intelectual e acadêmico morto neste domingo, 28, em São Paulo, aos 95 anos, após prolongada doença: “Je ne fait rien sans gayeté” (Não faço nada sem alegria). De fato, quem teve o privilégio de conhecer e conviver com Mindlin, sabe que caiu bem na vida do maior colecionador de livros do Brasil a escolha dessa máxima de Montaigne, retirada de seus Ensaios (do qual sua biblioteca tem um raríssimo exemplar, de 1588, que pertenceu ao crítico Saint-Beuve). Talvez a única coisa que fez sem alegria foi deixar este mundo sem ver concluído o prédio da Brasiliana USP, projeto acadêmico da Universidade de São Paulo que reúne a maior coleção de livros e documentos sobre o Brasil, um moderno edifício de 20 mil metros quadrados na Cidade Universitária sob a responsabilidade da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, órgão da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP.

Sonho maior do bibliófilo, a coleção Brasiliana, composta por 17 mil títulos (ou 40 mil volumes) de literatura e manuscritos históricos doados pelo colecionador, é o maior legado deixado por Mindlin além da herança ética que o Brasil recebe desse empresário, jornalista, ex-secretário de Cultura de São Paulo e membro das academias Brasileira e Paulista de Letras. Desde adolescente avesso ao autoritarismo, Mindlin começou sua carreira jornalística aos 15 anos como redator do Estado, driblando a censura durante a Revolução de 1930. Da sala de Julio de Mesquita, então diretor do jornal, ele transmitia instruções para a sucursal do Rio – em inglês, para confundir a escuta telefônica. Outro exemplo de sua conduta ética foi o pedido de demissão do cargo de secretário de Cultura do governo Paulo Egydio quando o jornalista Vladimir Herzog foi morto pela ditadura militar, em outubro de 1975.

Posteriormente, ao ser convidado pelo governo civil de Fernando Collor para ocupar o cargo de ministro da Fazenda, Mindlin, traumatizado com cargos públicos, declinou da oferta, ocupando-se de sua biblioteca de 40 mil títulos, que manteve por mais de sete décadas com a ajuda de sua mulher Guita e, após a morte desta, em 2006, por mais quatro anos até ficar doente. Instalada em sua casa no Brooklin, na qual morou por mais de 60 anos, a biblioteca era o grande orgulho de Mindlin. Nela repousam raridades como a primeira edição de Os Lusíadas, de 1572, um original do padre Antonio Vieira, os originais de Sagarana, de Guimarães Rosa, corrigidos à mão pelo autor, além do primeiro livro que Mindlin comprou num sebo quando tinha 13 anos, Discurso sobre a História Universal, escrito em 1740 pelo bispo francês Jacob Bossuet. Oito décadas depois, outros 40 mil livros juntaram-se ao exemplar raro de Bossuet, muitos deles já disponíveis para consulta pública na Brasiliana Digital, a biblioteca virtual desenvolvida com o acervo físico doado pelo empresário à USP em 2006.

Mindlin não colecionava livros raros por fetiche. Queria dividir o prazer da leitura com milhares de pessoas. Mesmo como empresário, que transformou a Metal Leve de uma pequena fábrica de pistões, nos anos 1950, numa empresa gigantesca do setor de autopeças, Mindlin buscou o ideal de uma gestão democrática em que os operários pudessem ter voz ativa nas discussões sobre seu destino. Com a globalização, a Metal Leve não sobreviveu ao assédio do capital estrangeiro e, em 1996, foi comprada por sua maior concorrente, a alemã Mahle. O empresário, então com 82 anos, mais da metade dedicados à Metal Leve, não se aposentou, participando dos conselhos de administração de grupos – O Estado de S. Paulo, entre eles – ou de instituições como a Sociedade de Cultura Artística, da qual seu pai foi um dos fundadores.

Filho de um dentista judeu de origem russa, apaixonado por música e pintura, Mindlin herdou a paixão pela cultura do pai, que costumava receber em casa escritores como Mário de Andrade. Esse contato próximo com grandes estudiosos dos problemas brasileiros o transformou em farejador de raridades ao topar, ainda adolescente, em Paris, com o clássico História do Brasil, a narrativa de frei Vicente de Salvador, de 1627, que o fez se interessar pelo passado do País. Desde então, obcecado pela ideia de construir a maior biblioteca dedicada a estudos brasileiros, aproveitava todo tempo livre em sua viagens internacionais para garimpar títulos que nem a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro sonhou em ter no acervo. Seu sacrifício pessoal rendeu ótimos títulos publicados com a ajuda de sua biblioteca, entre eles os volumes da História da Vida Privada no Brasil, cujo conteúdo foi pesquisado na casa do Brooklin, frequentada pelos maiores intelectuais do País.

Mecenas, Mindlin, um dos articuladores da Fundação Vitae, que concedia bolsas para a realização de projetos culturais, ele publicou livros de grandes amigos poetas, como Carlos Drummond de Andrade, e artistas visuais como a gravadora Renina Katz. Seu acervo de obras em papel tem peças raras de artistas como Goeldi, Lescoschek, Lívio Abramo e Iberê Camargo. Mindlin costumava dizer que essa escolha se devia mais à mulher Guita, com quem teve 70 anos de vida em comum. Seu negócio mesmo era a leitura, hábito que, infelizmente, foi obrigado a abandonar nos últimos anos por problemas de saúde. Antes que seus olhos enfraquecessem, ele leu, porém, mais de cinco vezes sua obra preferida, os sete volumes de Em Busca do Tempo Perdido, de Proust, da qual guardava uma raríssima primeira edição francesa. Depois de Proust, Balzac ocupou sua imaginação por mais tempo. Em sua inúmeras visitas ao órgão do Banco do Brasil responsável pelas importações, o empresário da Metal Leve, obrigado a longas horas de espera nos corredores, devorou quase toda A Comédia Humana.

Nascido em São Paulo, em 1914, Mindlin estudou Direito na USP e fez cursos de extensão universitária na Universidade de Columbia, em Nova York. Aos 32 anos, financiado por um empresário, conseguiu um sócio e fundou a livraria Parthenon, em São Paulo, especializada em livros raros. A guerra havia acabado há um ano e famílias europeias descapitalizadas se desfaziam de seu patrimônio artístico e literário. Foi assim que Mindlin trouxe para o Brasil muitas raridades que colocou à venda na Parthenon, sempre avisando o comprador que poderia procurá-lo no futuro, caso quisesse se desfazer do livro. O conflito entre vendedor e colecionador cresceu com o tempo. Mindlin não resistiu e foi atrás de todos as obras raras vendidas, recomprando-as para sua biblioteca particular quando virou empresário.

Foi quando vendeu a Metal Leve, dirigida por durante 46 anos, que o empresário começou a pensar no futuro de sua biblioteca. Inspirado no modelo da John Cater Brown Library, de Providence (Rhode Island), que também começou como coleção particular e hoje é uma das maiores do mundo em documentos raros sobre a América, Mindlin, que integrava o conselho da biblioteca, pensou em fazer um acordo com a USP para transferir seu acervo. Parte dessa história está contada no livro Memórias Esparsas de uma Biblioteca, um dos três volumes que Mindlin dedicou à maior coleção privada do Brasil – os outros dois são Uma Vida entre Livros e Destaques da Biblioteca de Guita e José Mindlin.

Sempre procurado por pesquisadores brasileiros e estrangeiros atrás de suas raridades bibliográficas, Mindlin, um cidadão do mundo que dominava seis línguas, foi um dos primeiros empresários a atravessar a Cortina de Ferro durante a Guerra Fria, tentando aproximar o Brasil de países como a extinta União Soviética. Teve também um papel fundamental no processo de redemocratização do País ao assinar, durante a ditadura, um manifesto pela abertura política junto a outros oito empresários.

video Memória: Mindlin lembra crise de 1929

Entrevista ao Roda Viva

Morreu o bibliófilo José Mindlin. Ele vai fazer falta!

12:11 pm

jose-mindlin-biblioteca-436

O bibliófilo e empresário José Mindlin morreu na manhã deste domingo (28) no Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo.

Quinto ocupante da cadeira 29, eleito em 20 de junho de 2006, na sucessão de Josué Montello, e recebido em 10 de outubro de 2006 pelo Acadêmico Alberto da Costa e Silva.

José Ephim Mindlin nasceu em São Paulo em 8 de setembro de 1914. Formou-se em Direito em 1936, pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Foi redator do O Estado de S. Paulo de 1930 a 1934. Advogou até 1950, quando foi um dos fundadores e presidente da empresa Metal Leve S/A, empresa pioneira em pesquisa e desenvolvimento tecnológico próprio no seu campo de atuação. Em sua atividade empresarial desenvolveu grande esforço em prol do avanço tecnológico brasileiro e no processo de exportação de produtos manufaturados brasileiros.

De interesses muito diversificados, tanto no campo cultural, como da educação, da economia, da política (não partidária), da ciência e da vida empresarial, vem atuando há muitos anos em todos esses setores e fazendo parte de numerosos Conselhos e entidades, no Brasil e no exterior. Foi membro do Conselho Superior da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) de 1973 a 1974; de 1975 a 1976, diretor do Conselho de Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e Secretário da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, quando estruturou a carreira de pesquisador. Foi um dos fundadores da UNIEMP, entidade destinada a promover a aproximação entre a Universidade e a Empresa, e da qual atualmente é Presidente Honorário. Fez parte do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia – CNPq, do Instituto de Pesquisa Tecnológica, e da Comissão Nacional de Tecnologia da Presidência da República. Foi durante muitos anos Vice-presidente da FIESP, tendo sido Diretor Titular do Departamento de Comércio Exterior e do Departamento de Tecnologia. Foi também membro do Conselho Internacional da FIAT, do Conselho Internacional do Unibanco e do Conselho do Banco de Montreal.

É membro colaborador da Academia Brasileira de Ciências e membro do Conselho de vários museus brasileiros, como o Museu de Arte Sacra de São Paulo, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) e o Museu Lasar Segall; membro honorário do Conselho Internacional do Museu de Arte Moderna de Nova York. É presidente da Fundação Crespi Prado, membro do Conselho da Sociedade Amigos da Biblioteca Nacional e da Casa de Cultura de Israel, presidente da Sociedade de Cultura Artística de São Paulo e membro do Conselho da Vitae – Apoio à Cultura, Educação e Programas Sociais. É membro emérito da Diretoria da John Carter Brown Library, de Providence, R.I., dos Estados Unidos, uma das principais bibliotecas do mundo de livros raros sobre as Américas, e da Associação Internacional de Bibliófilos, com sede em Paris. É presidente do Conselho da Aliança Francesa de São Paulo e do Conselho Editorial EDUSP (Editora da Universidade de São Paulo).

Recebeu o título de Professor Honorário da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas, e o título de Doutor Honoris Causa em Letras pela Brown University, de Providence, R.I., nos Estados Unidos, pela Universidade de Brasília, Universidade da Bahia, Universidade de Tocantins e Universidade de São Paulo. É membro honorário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico de Pernambuco e da Academia de Letras da Bahia.

Recebeu o Prêmio Juca Pato como Intelectual do Ano de 1998. Tem recebido numerosos e variados prêmios e condecorações, no Brasil e no exterior, destacando-se em 2003 o Prêmio UNESCO Categoria Cultura e a Medalha do Conhecimento concedida pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, com apoio do CNI e Sebrae Nacional, além do Prêmio João Ribeiro da Academia Brasileira de Letras. Eleito, em 1999, membro da Academia Paulista de Letras.

Foi casado com Guita Mindlin, nascida em 2 de agosto de 1916 e falecida em 25 de junho de 2006. Guita e José Mindlin tiveram quatro filhos: a antropóloga Betty, a designer Diana, o engenheiro Sérgio e a socióloga Sônia.

José e Guita compartilharam ao longo da vida a paixão pelos livros, que levou o casal a formar uma das mais importantes bibliotecas privadas do país, que Mindlin começou a formar aos 13 anos e chegou a ter 38 mil títulos. Em maio de 2006, o casal fez a doação de cerca de 15 mil obras da Biblioteca Brasiliana para a USP. No conjunto doado à USP, constam obras de literatura, história, sociologia, poesia. Dentre as raridades estão documentos do século XVI com as primeiras impressões que padres jesuítas tiveram do Brasil, jornais anteriores à Independência e manuscritos que resgatam a gênese literária de grandes obras, como Sagarana (de Guimarães Rosa) e Vidas Secas (de Graciliano Ramos).

José Mindlin promoveu edições de cerca de 40 livros e revistas de arte e literatura, e de bibliografia brasileira. Publicou numerosos artigos e fez inúmeras conferências no Brasil e no exterior, em associações e universidades, sobre todos os assuntos de que se tem ocupado. É o autor de Uma Vida entre Livros – Reencontros com o tempo e Memórias Esparsas de uma Biblioteca. Lançou em 1998 o CD O Prazer da Poesia.

A enciclopédia da Mãe Joana

11:04 am

wikipedia-logo2

Pronto-socorro da informação

Com tantas e frequentes revisões históricas, fiar-se só nos livros pode ser roubada. Aí é que entra a Wikipedia

Por Sérgio Augusto – O Estado de S.Paulo

Só nos últimos dez dias fomos informados de que o faraó Tutancâmon morreu de malária e o filósofo René Descartes foi envenenado por um padre, que as pirâmides do Egito afinal não foram construídas com trabalho escravo e o homem singra os mares há muito mais tempo (e 70 mil anos é muito tempo) do que se acreditava. Quatro revisões históricas no espaço de 240 horas, um recorde.

Schopenhauer não exagerou ao comparar Clio, a musa da memória e, por extensão, da história, a uma prostituta com sífilis. Seus treponemas seriam as mentiras perpetuadas pelos historiadores. Desde Heródoto.

Tido como “o pai da história”, Heródoto não tinha o hábito de filtrar as ocorrências que lhe chegavam aos ouvidos, inventava discursos persas, plagiava documentos alheios e passou adiante um punhado de lorotas. Antigamente também a história era oral, e como quem conta um conto aumenta um ponto, precavido foi aquele (Homero? Hesíodo?) que à arte de documentar e narrar fatos reais deu o nome de “historia”, que em grego quer dizer investigação. Foram necessários 25 séculos de investigação para se descobrir que Platão romanceara um pouco o suicídio compulsório de Sócrates, provavelmente por ter sido o único dos discípulos do mestre a não presenciar sua agonia.

Tutancâmon já havia morrido de tuberculose (suspeita levantada em 1925), de hemorragia cerebral (detectada por um exame de raio X, em 1968), mas, após dois anos submetendo sua múmia à sutileza tridimensional de uma tomografia computadorizada e a análises de DNA, cientistas descobriram que o jovem faraó quase certamente sucumbiu à malária, agravada por uma fratura na perna. Outra descoberta possibilitada pelo exame de DNA: Tutancâmon tinha o sangue “enfraquecido”; parecia até um monarca Habsburgo de tão fisicamente degenerado pela quase incestuosa consanguinidade de seus ancestrais.

Quanto às pirâmides, Heródoto induziu todo mundo ao erro ao identificar como escravos os operários que ergueram os mausoléus de Giza. Uma dúzia de esqueletos, exumados de uma tumba próxima às pirâmides, na década passada, e desde então estudados por uma equipe de egiptólogos, revelou que nenhum deles era escravo, e sim trabalhadores experientes, de origem humilde, mas assalariados. Se fossem escravos, não teriam sido enterrados em lugar tão privilegiado. Cerca de 10 mil levavam 30 anos construindo uma pirâmide. Heródoto contabilizou 100 mil homens, um exagero de proporções hollywoodianas. O cineasta Howard Hawks e seu roteirista, William Faulkner, embarcaram nessa no épico Terra dos Faraós. Não leve o filme mais a sério como documento histórico.

A “nova morte” de Descartes acaba de ser revelada num livro do alemão Theodor Ebert, da Universidade de Erlangen. Até então acreditava-se que o “pai do racionalismo” morrera das consequências de uma pneumonia, no inverno de 1650. Ao cabo de uma perseverante pesquisa, Ebert concluiu: Descartes parou de pensar (e, por conseguinte, de existir) depois de ingerir arsênico, injetado numa hóstia oferecida por Jacques Viogué, missionário católico, então paroquiando em Estocolmo. Viogué temia que a rainha Cristina, monarca luterana da Suécia, desistisse de converter-se ao catolicismo seduzida pela lábia do anticlerical filósofo francês, seu principal mentor. Inútil delito. A rainha afinal se converteu e abdicou do trono.

Nos livros de história e nas enciclopédias, a causa mortis de Descartes continua sendo pneumonia e a de Tutancâmon, três ou quatro ziquiziras, menos malária; a navegação teria começado no Mediterrâneo há 130 mil anos, 70 mil anos antes da travessia do homo sapiens para a Austrália – e, se não pararmos por aqui, iremos longe com exemplos similares. Sempre escrita errado, acumulando invencionices (queixou-se Voltaire), a história sempre carece de uma revisão (constatou George Santayana).

Numa dessas revisões, Nero parou de tocar lira enquanto Roma pegava fogo. Noutra, Cleópatra deixou de ser bonita. Noutra, a Grande Depressão superou o Tratado de Versalhes como o maior aliado da ascensão do nazismo na Alemanha. Mas ainda não houve jeito de convencer os americanos de que os irmãos Wright não inventaram o avião. E se nenhuma providência for tomada, Lula ainda entrará para a história como o presidente que acabou com a inflação no Brasil – e construiu Brasília.

Fiar-se unicamente nos registros analógicos (livros e enciclopédias impressos) pode ser uma roubada. Muitos deles já chegam às estantes desatualizados, obsoletos, superados por uma descoberta recentíssima. Com tantas e tão constantes revisões históricas, ficamos ainda mais à mercê do registro digital, da história em constante atualização on-line, viramos vassalos da Wikipedia, a enciclopédia da internet. É um caminho sem volta; relaxe e aproveite.

Ruim com ela (os verbetes das enciclopédias tradicionais, da lavra exclusiva de especialistas, são mais confiáveis que os da Wikipedia), pior sem ela. Antes, quando não havia alternativa imediata para a desatualização, ou seja, quando não havia internet, apenas meia dúzia de experts, se tanto, tomava logo conhecimento de certas novidades históricas e científicas, que nem pelos jornais circulavam. O imediatismo não é tudo, mas a difusão do saber é um valor em si.

Muito ainda se discute se a internet de fato democratiza o saber ou apenas nos entope de informações, a maioria irrelevante e inútil. Sabendo usá-las, metabolizando direito os seus nutrientes, qualquer um poderá tornar-se um nerd epistemológico. A Wikipedia é um serviço humanitário, a Cruz Vermelha da informação, o socorro urgente de todas as ignorâncias, com a vantagem de ser monitorada por mais olhos do que tinha o dr. Mabuse, razão pela qual seus cochilos costumam ser corrigidos em questão de horas ou minutos.

Mas não custa prevenir contra suas mancadas. Umberto Eco confessou googlar a Wikipedia com mais frequência do que consulta alfarrábios, caprichando ao máximo na filtragem, confrontando cada nova informação com outras fontes on-line. Como recomendava Stendhal, “nunca se esqueça de desconfiar”.

Sai, Street View!

10:54 am

google-maps_0

Por Fernando Martines

(Com informações da Reuters)

O ano realmente não começou bem para o Google. Primeiro,  diversos usuários do Gmail tiveram suas contas invadidas em ataques que vieram da China; depois, nesta semana que passou, três executivos foram condenados a seis meses de prisão na Itália por uma site da empresa publicar o vídeo que um garoto com autismo sendo ridicularizado por colegas; agora, autoridades da União Européia querem que o Google  encurte o período de armazenamento de imagens do Street View.

(Se você já sabe o que é o Google Street View, pode pular para o parágrafo de baixo. Mas se você não sabe, a gente recapitula: é um serviço no qual o Google fotografa todas as ruas de uma cidade, de todos os ângulos e depois permite que qualquer entre na internet e passeie pela cidade – em breve Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro poderão ser visitadas pelo computador. Meio abstrato? Então dê uma volta em Miami clicando aqui)

As críticas das autoridades européias ao serviço do Google se baseiam em dois pontos: que a empresa tem falhado em evitar que imagens muito pessoais sejam veiculadas ao público (um casal se beijando em uma calçada, por exemplo) e que suas câmeras respeitem as propriedades privadas e parem de registrar imagens de dentro de casas, muros e janelas.

O Google, que agora mantém as imagens durante um ano, deve diminuir esse tempo para seis meses. A União Européia escreveu uma carta a Peter Fleischer,  diretor do conselho mundial da empresa.

“O Working Party acredita que seis meses como tempo máximo de armazenamento de imagens fará com que atinjamos um bom equilíbrio entre a proteção da privacidade das pessoas”, consta na carta, que foi escrita no dia 11 de fevereiro. Working Party é uma instituição feita por “supervisores de defesa à privacidade” , aconselha a união européia sobre questões relativas ao tema.

A comissária de justiça européia Viviane Reding disse que ela irá monitorar as questões sobre o Google Street view de perto. “Na Europa, nós temos regras claras sobre proteção à privacidade e as empresas tem que respeitar tais regras”, afirmou Reding em um anúncio.

Mais polêmica

No começo do ano, o Google Street View já havia provocado polêmica. “Isso porque a empresa já patenteou uma técnica que irá permitir trocar os anúncios reais captados nas ruas de cidades pelo Street View por anúncios digitais que o próprio Google irá comercializar – porém isso valerá apenas para publicidades antigas, aquelas que estão abandonadas. Imagine que a placa perto da sua casa que estampa Mappin ou o número de um vereador na eleição de 2008, na versão digital exibirá o logo da Coca-Cola ou de qualquer marca que compre o espaço virtual”. Trecho de notícia publicada aqui no Link e você fica sabendo mais sobre o tema clicando aqui.

Volume reúne textos sobre a questão do índio no País

10:47 am

rebelo

REBELO, Aldo. Raposa-serra do sol: o índio e a questão nacional. Brasília: Thesaurus, 2010.

Os índios têm direito às terras nas quais eles e seus ancestrais fincaram raízes, mas isso não exclui outros brasileiros que vivem há gerações nesses locais. É essa a ideia defendida por Aldo Rebelo nos artigos e entrevistas deste volume – previamente publicados pelo Estadão e pela revista Interesse Nacional -, numa abordagem que dá atenção especial para a demarcação da Reserva Indígena Raposa-Serra do Sol. O livro contém ainda dois ensaios inéditos, um sobre a valorização do índio na formação social do País e outro que questiona a vertente antropológica que o isola da sociedade nacional. Rebelo destaca ainda essa influência na cultura e na psicologia brasileiras, e também sua força na culinária e no idioma.

O trabalho reúne artigos e entrevistas publicados pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela revista Interesse Nacional, e dois breves ensaios inéditos. O índio no imaginário nacional abre a sequência de textos apresentando uma visão otimista da presença indígena na formação social brasileira, em contraponto a uma interpretação derrotista e diminuidora do papel civilizatório de nossos mais antigos ancestrais.

Advoga-se a ideia do índio protagonista – um protagonismo sofrido e injustiçado, é verdade – em lugar do índio vítima, inerme, física e culturalmente submetido ao colonizador. Evoca-se as figuras de Ajuricaba, Cunhambebe, Aimberê, Tibiriçá, Poti, Maria Arcoverde, Bartira, Clara Camarão, para destacar a presença viril de homens e mulheres que engrandeceram a história indígena e do povo brasileiro. Indica-se a influência do índio em nossa cultura, psicologia, culinária e idioma como algo que nos fez mais adaptados para a aventura humana de viver em paz e em cooperação.

O índio e a questão nacional, o último pequeno ensaio, é quase uma advertência sobre os riscos de perdemos essa preciosa herança – a ideia de um povo único, resultado da contribuição indígena, africana e europeia – como consequência das pretensões e ambições de povos materialmente mais desenvolvidos, embora espiritualmente mais primitivos, com suas organizações não governamentais e sua visão depressiva sobre o destino da humanidade.

Os artigos para O Estado de S. Paulo e para a revista Interesse Nacional foram escritos em meio à polêmica em torno da demarcação da terra indígena Raposa-Serra do Sol. Em todos eles procurou-se depositar a mais profunda gratidão e o mais elevado respeito aos índios, ao povo brasileiro e ao Brasil.

Por fim, ao leitor deve ser esclarecido que a presença ou não do ingênuo hífen em Raposa-Serra do Sol indica visões distintas sobre a área demarcada. Grafar com hífen, como se faz nesta obra, é também uma denúncia de que Raposa e Serra do Sol são áreas geograficamente distintas, habitadas por tribos e populações igualmente distintas.

J. D. Salinger: o pecado de ser invisível

10:36 am
salinger-catcher
Escrito há duas décadas, somente agora este texto de Tomás Eloy Martínez veio a público, após a morte de ambos

Por Tomás Eloy Martínez

The New York Times

Jerome David Salinger (1919- 2010) jamais imaginou, nem mesmo no terreno mágico das suas ficções, o perverso poder da correspondência. Talvez por rejeitar outros meios de comunicação (entrevistas, festas sociais, conferências), ele usou descuidadamente do recurso epistolar que acabaria por destruir seu precioso anonimato de 30 anos.

Na busca do equilíbrio absoluto, distante das maldições da civilização moderna, encerrado numa cabana de Cornish, em New Hampshire, com sua mulher Claire Douglas, sem luz elétrica nem água corrente, em certa manhã de 1984 o escritor acordou e cumpriu religiosamente um ritual rotineiro: descobrir as cartas escondidas na caixa do correio.

Um envelope despertou sua curiosidade, mas ele não abriu imediatamente. Preferiu, antes, tomar sua xícara de café.

Salinger, enfim, abriu aquela carta, que o desviava do seu retiro voluntário em Cornish, e descobriu as pretensões do remetente, Ian Hamilton. Crítico literário e biógrafo profissional, esse interlocutor desconhecido pretendia contar sua vida e obra num livro. Para isso, precisava que Salinger respondesse a várias perguntas, ou num encontro pessoal ou por meio de um questionário por escrito.

“Os poucos dados esquemáticos que foram publicados sobre sua vida”, justificou o escritor britânico Ian Hamilton, na vã tentativa de convencer Salinger, “às vezes são contraditórios e talvez tenha chegado o momento de colocarmos os pingos nos “is”.” Salinger nunca respondeu e, não querendo acumular lixo no seu escritório, destruiu a carta. Contudo, o duro trabalho para proteger sua privacidade começava a se desfazer.

O que todos sabem é que J. D. Salinger saboreou a fama por uns poucos dias na juventude (na agitada vida noturna de Greenwich Village, em Nova York) e achou-a amarga. Daí em diante surgiram rumores. O escritor evitou metodicamente diálogos literários com a imprensa, encontros sociais e acadêmicos e aparições em locais públicos da moda. De tempos em tempos, se deparava com uma realidade tangível, com o surgimento de algum relato que perturbava o sonho dos adolescentes.

PRESUNTO

Depois de se formar numa academia militar na Pensilvânia e fracassar nos estudos, seu pai, esquecendo as decisões democráticas, o leva para a Polônia onde ele deve descobrir os segredos da indústria do presunto.

Poucos poderão imaginar Salinger na neve de Bydgoszcz matando porcos. Mas ele também não achou confortável aquele ofício e regressou aos Estados Unidos, para continuar sendo um fracasso na universidade, antes de seguir adiante, em 1945.

Convocado para a frente de batalha, Salinger teve depressões e surtos de desespero. Seu único confidente era Ernest Hemingway, a quem comentou, por carta, que tinha ido parar com sua tristeza num hospital em Nuremberg. Uma angústia enraivecida, provocada pelo fervor patriótico daqueles momentos, deixou-o prostrado na cama, sem cura.

Dispensado do Exército, Salinger toma uma decisão precipitada: viajar a Paris. Os arroubos de loucura não o deixam em paz. Casa-se com uma francesa que não ama e, oito meses mais tarde, pede o divórcio e retorna aos Estados Unidos.

O ano de 1951 foi inesquecível para Salinger. O Apanhador no Campo de Centeio (The Catcher in the Rye) é publicado e ele confirma sua suspeita: aquelas páginas encerravam o que muitos jovens desejavam ler sobre o obscuro e incompreensível mundo da adolescência. As edições se esgotaram. O escritor captou a linguagem coloquial dos anos 50 usando-a literalmente na elaboração do livro, sem poses culturais, e o devolveu transmutado em verdades para a rebeldia juvenil em seu país.

Hemingway leu com enorme prazer esta obra inicial. Salinger, mais tarde, se animaria a imortalizar o encontro com seu mentor por meio de algumas frases literárias que distorcem a sua alardeada modéstia: “Num abrir e fechar de olhos, Papá deixou aparecer a sua Luger, fez voar a cabeça de uma galinha e disse: “Deus meu, que talento.””

Se esses elementos não bastam para colocar Salinger no banco de qualquer biógrafo, não há outro recurso senão assinalar seu voluntário afastamento do mundo. Depois da publicação de O Apanhador no Campo de Centeio, ele cai nos braços do misticismo hindu e volta a se casar, desta vez com uma jovem de 19 anos, Claire Douglas, com quem compartilha o ambiente bucólico do campo em New Hampshire, como um “amish” que odeia os avanços técnicos da humanidade.

Qualquer uma dessas circunstâncias poderia despertar a curiosidade desses senhores acostumados a meter o nariz na vida alheia. Se Salinger tivesse procurado aparecer na mídia todos os dias, seu descanso definitivo em Cornish talvez tivesse permanecido virgem. Claro, os intrometidos, do mesmo modo que os arrecadadores de impostos, nascem com um instinto peculiar de achar que as aparências sempre enganam.

Hamilton sabia de antemão que Salinger não responderia à sua carta, mesmo deixando claro que não era um fã enlouquecido de uma revista de fofocas. Ele não estava interessado numa biografia tradicional. Sua intenção se assemelhava mais a uma busca da curva, onde os fracassos e triunfos do projeto seriam igualmente importantes.

E ele também queria saber o que ocorria quando se aplicavam os sistemas biográficos ortodoxos a um personagem que fugia de qualquer notoriedade.

Sem a ajuda do escritor, Ian Hamilton envia uma dezena de cartas a todos os Salingers que encontra no catálogo telefônico de Manhattan.

Quer informações sobre a origem do sobrenome e a relação que essas pessoas podem ter com o escritor. As respostas foram decepcionantes: algumas forneciam dados vagos sobre a genealogia ou desconheciam o nome Holden Caulfield, o narrador e protagonista de O Apanhador no Campo de Centeio.

Mais interessante é a carta de Salinger. Contrariado, porque uma irmã e o filho, ambos residindo em Nova York, tinham recebido o questionário, ele protesta, irado, contra esse cerco à sua vida privada.

Ian Hamilton toma uma decisão: não vai mais incomodar o autor nem sua família. Durante cinco anos, entra e sai de universidades e escolas públicas. Perambula por bibliotecas e livrarias. Necessitava ouvir serenamente a voz, na primeira pessoa, do biografado: soava nervosa, por causa de dúvidas, ou inspirada numa grande segurança? Era pedante ou distante pela sua humildade? Uma das primeiras descobertas surgiu nas cartas enviadas a Whit Burnett, diretor da revista Story (onde Salinger tinha publicado alguns textos). Ali o tom era inverossímil, dominado por uma adulação afetada e presunção de autopromoção. Por intermédio dessas cartas, descobriu-se que o sonho de Salinger, aos 21 anos, era de que uma das publicações de vanguarda dos Estados Unidos, a The New Yorker, aceitasse seus trabalhos. Mas a grande surpresa viria meses depois: o editor londrino Hamish Hamilton (nenhum parentesco) entrega a Ian 30 cartas de Salinger, escritas entre 1951 e 1960.

MANUSCRITO

Em 30 de julho de 1985, o livro In Search of J. D. Salinger: A Writing Life (1935-65) (Em Busca de J. D. Salinger: Uma Vida de Escritor) chega ao seu final. Ian Hamilton envia o manuscrito à Random House. A editora aceita a investigação, dá um cheque de adiantamento pelos direitos de autor e põe em funcionamento a máquina comercial: é fixada uma data para o lançamento do livro, preparado um exemplar para os críticos, desenhada a capa e tirada uma foto do autor. Na Inglaterra, a editora Heinmann compra os direitos e o jornal The Observer decide publicar o texto em capítulos.

Nesta altura, tudo corre bem. Exceto as exigências profissionais de Hamilton. Ele tinha descoberto com certa tristeza que não era esse o livro que ele aspirava. E foi tomado por um enorme respeito e nervosismo. Queria provar a Salinger que não era um oportunista. Mas possuía mais dados do escritor do que qualquer outra biografia ao longo da sua vida. As cartas que obteve permitiram captar o tom de Salinger, sua presença real.

O colapso surgiu com a carta de um escritório de advocacia (Kaye, Collier & Booze) de Nova York, enviada à editora Random House, à Heinmann e ao The Observer. Por ela, os advogados comunicavam que Salinger tinha lido as provas do livro e que não toleraria, sob nenhum aspecto, a publicação de um trabalho que utilizara sua correspondência pessoal. Se essa situação não fosse alterada, ele entraria com uma ação judicial.

Ian Hamilton viajou de Londres para os Estados Unidos sem nem mesmo mudar de roupa e cortou um grande número de citações diretas no livro, restando no final não mais do que dez palavras de cada carta. Os termos originais das correspondências foram eliminados, substituídos por outros, criados pelo crítico. E um novo manuscrito foi enviado para exame do escritor ofendido. O remédio acabou sendo mais nocivo do que a enfermidade inicial.

Salinger apelou à Suprema Corte de Justiça, que lhe deu razão. O original foi destruído definitivamente por Ian Hamilton, que concentrou suas energias e talento num outro livro, In Search of J. D. Salinger (Em Busca de J. D. Salinger), no qual relata o confronto com o segredo mais bem guardado das letras americanas. O texto exala ódio por todos os poros. “Deseja ser um santo, mas o problema dele é o de quem tem um caráter oposto à santidade.”

Excêntrico e impenetrável, Salinger, aos 69 anos, recorreu aos tribunais, e chegou a depor durante seis horas, a conversa mais longa que manteve até então com pessoas estranhas. Desse depoimento existe uma cópia legal à disposição do público.

Em setembro de 1988, 100 trabalhos sobre o escritor se acumulavam na imprensa dos Estados Unidos. Material suficiente para se fazer conjecturas, levantar hipóteses: toda Nova York possuía uma fotocópia do livro destruído de Hamilton e por US$ 10 qualquer curioso podia entrar no U.S. Copyright Office, em Washington, para examinar as cartas que deram origem à disputa.

O que não foi dito até agora é a razão secreta que impeliu Hamilton, notável biógrafo do poeta americano Robert Lowell, a se lançar nessa aventura. Suas palavras são eloquentes. “Embora pareça ridículo afirmar isto, o que mais me instigou foi a paixão, que tomou conta de mim aos 16 anos e nunca cheguei a superar.”

Naquela época, ele tinha lido O Apanhador no Campo de Centeio. Uma leitura sem alento, em que descobriu o efeito sagrado da literatura.

Jamais sonhou, naquele estado de graça, que muitos anos depois acabaria ligado ao nome desse Deus – J. D. Salinger – como seu inimigo implacável. TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

*Tomás Eloy Martínez é autor de Romance de Perón, Santa Evita, O Voo da Rainha, que conquistou na Espanha o prêmio Alfaguara de romance, e de O Cantor de Tango. Foi indicado para o primeiro Man Booker, prêmio internacional bianual dedicado ao conjunto da obra de um autor. Seus livros foram traduzidos para mais de 30 idiomas. Foi diretor do programa de Estudos Latino-americanos na Universidade de Rutgers e realizava frequentes viagens como escritor e jornalista. Morreu em 31 de janeiro de 2010, em Buenos Aires, aos 75 anos

A análise social recriada como ficção

10:14 am

wells

WELLS, Herbert Georg. A máquina do tempo. Tradução de Bráulio Tavares, São Paulo: Alfaguara, 2010.

Em A Máquina do Tempo, H. G. Wells usa ciência para mostrar que supremacia tecnológica pode levar à guerra e à violência

Por Vinícius Jatobá

A novela A Máquina do Tempo (1895), escrita pelo inglês Herbert George Wells, que ganha nova edição no País, com tradução de Bráulio Tavares, sintetiza tudo aquilo que a literatura deve ter: prosa elegante e precisa; clareza cristalina de ideias; viço contagiante de imaginação; e personagens com vivacidade de desejos. Há seriedade e humor; sapiência e originalidade; mas também uma vontade pouco disfarçada de agradar que se materializa por uma contagiosa legibilidade da prosa. H.G. Wells (1866- 1946) é um daqueles escritores que contradizem todos os axiomas narrativos que soporizaram a literatura do século passado: com uma técnica sutil e discreta, uma linguagem sem sobressaltos e personagens discerníveis, escreveu gentis peças narrativas que fazem o leitor pensar e sorrir. Lê-lo dá certa tristeza: percebe-se como a literatura hoje se afasta de todas as coisas que são realmente essenciais – o coração das personagens e as peripécias dos enredos.

A questão é que nada é mais apartada da vida cotidiana que a imaginação de Wells, um dos mais celebrados autores de ciência ficção. Suas melhores novelas se debruçam sobre as mais improváveis realidades criadas pelos pesadelos da ciência. Lógica e razão brindam o ficcionista com os pontos de partida de suas histórias bem tramadas e estruturadas e criam uma amostra fantástica dos possíveis usos da tecnologia e suas consequências na sociedade e nos indivíduos; no entanto, a ciência não é o assunto de Wells. Sua preocupação, soterrada sob a aparência aventurosa de seus livros, é o dilema moral e ético que aflige a sociedade e os indivíduos quando gozam da posição privilegiada de domar e de transformar a natureza pela ciência. Em todos os livros de ficção científica de Wells, o que se revela como resultado da vitória da tecnologia são a bestialidade, a guerra e a violência extremada.

Wells pouco se importa em descrever como a tecnologia de seus livros funciona – não há qualquer descrição detalhada da máquina do tempo, por exemplo. O que interessa ao autor é o que a tecnologia revela de essencial sobre a natureza humana. E não é nada bonito o que ela revela.

Seus enredos: Griffin, uma vez invisível pelo trágico uso de sua própria fórmula, e alimentado pela ilusão de impunidade que sua nova condição lhe brinda, comete uma onda de crimes e alimenta macabros desejos terroristas; dr. Moreau, destacado cientista caído em desgraça, uma vez isolado em uma ilha apartada do controle britânico, dedica-se a dissecar seres humanos e manipular seus sentimentos até torná-los criaturas bestiais; dois cientistas, buscando uma solução para a falta de alimentos, inventam uma fórmula que faz animais crescerem – contudo, crianças são afetadas pela fórmula gerando uma bizarra guerra entre bebês gigantes e adultos pigmeus.

Wells é demasiado divertido, com sua fauna de monstros e aparelhos fantásticos, mas sua visão de mundo é profundamente amarga. E irônica: em uma de suas novelas, Os Primeiros Homens na Lua (1901), um cientista prefere viver no satélite com alienígenas subterrâneos do que voltar à convivência terrena.

Alongar-se muito sobre A Máquina do Tempo é privar o leitor do prazer do enredo. Há engenho na construção da narrativa: em vez de narrar diretamente as aventuras, Wells faz um uso ficcional de um discurso social central da época: as palestras dadas por membros de associações científicas. Em uma dessas reuniões, onde seus membros falam longamente sobre suas experiências e inventos, o narrador do livro presencia a palestra de um homem cujo nome jamais cita em seu relato. Esse homem, de forma resumida e irônica, relata suas aventuras pelo tempo. Após uma breve explicação sobre a quarta dimensão e uma descrição apressada sobre sua máquina, descreve sua aventura em um futuro onde o homem controla a natureza apenas para tornar-se desumano em suas relações: o futuro dominado pela tecnologia suprema é uma sociedade de castas, dividida por tribos, onde um grupo que detém o poder (e controla a superfície) escraviza e domina o restante, que vive no subterrâneo.

O próprio corpo do homem se modificou – tem a agilidade de primatas, a altura reduzida. Wells, em uma estratégia narrativa genial, faz com que o retorno ao presente desse homem tenha ocorrido pouco tempo antes de sua própria palestra: isso faz com que seu relato tenha um sabor improvisado, pouco racional e algo emotivo, que cativa o narrador (e o leitor) pelo seu caminho inconclusivo e espantado, como se ele estivesse fascinado com sua própria história enquanto a relembra.

O escritor, ainda que motivado pelo desejo de entreter, é um homem de ideias sérias e corrosivas. A literatura é o discurso social reimaginado enquanto ficção; mas, nem por isso é menos pungente e radical. Se for entendido como intelectual todo indivíduo cujo pensamento torna-se ação por ocupar o espaço público – em artigos, conferências, discursos -, Wells é um caso raro de homem de ação, cujas ideias influenciaram sob a máscara ingênua de livros de aventuras.

O mais curioso em se tratando desse autor é o quanto sua narrativa tem impacto, mesmo mais de um século depois de sua publicação original. Há algo de essencial, de radical, na revolta que Wells dramatiza ainda que de modo tão apartado da vida cotidiana – com suas máquinas fabulosas e seres incríveis. Mesmo tanto tempo depois, os mecanismos de violência e de dominação descritos em seus romances, a ignorância das autoridades e os fantasmas antiéticos da tecnologia possuem efeito perturbante no leitor.

É algo que impressiona, uma vez considerando que Wells, ao contrário de Orwell, sempre circunscreveu suas histórias em ambientes demasiado específicos e concretos. Mesmo que coloque “a humanidade nas garras do impossível”, como descreveu Conrad, seu ponto de partida era seu tempo e sua gente. Que a literatura de H. G. Wells tenha sobrevivido só mostra sua força de clássico incontornável e, mais importante, necessário.

*Vinícius Jatobá é crítico literário

Trecho

Durante muito tempo devo ter ficado acordado sobre a máquina. Os contornos flutuantes do terreno iam e vinham. Os ponteiros giravam velozmente para trás nos mostradores. Quando o ponteiro dos milhões atingiu o zero, comecei a reduzir a velocidade. Passei a reconhecer nossa arquitetura familiar e banal, o dia e a noite sucediam-se cada vez mais devagar. Por fim as paredes tão familiares do laboratório surgiram ao meu redor. Com todo cuidado, reduzi ainda mais a marcha do mecanismo.

Após demissões, falta mão de obra na China

9:49 am

china-trabalho

Por Keith Bradsher

Um ano depois de demitir milhões de trabalhadores nas fábricas, a China está enfrentando uma escassez de mão de obra cada vez mais aguda.

Enquanto os trabalhadores americanos enfrentam um índice de desemprego de quase dois dígitos, operários pouco qualificados aqui no coração industrial da China têm recebido ofertas de emprego com bonificações.

Nas fábricas, os salários aumentaram em até 20% nos últimos meses. Operadores de telemarketing estão recusando potenciais fregueses porque os supervisores os designaram para a função de telefonar para as pessoas oferecendo-lhes empregos.

Alguns fabricantes, já com as encomendas atrasadas em muitas semanas por causa da dificuldade de encontrar funcionários em número suficiente, estão fechando linhas de montagem e considerando uma elevação nos preços. Tais aumentos provavelmente incidiriam também sobre o preço pago pelos consumidores americanos para comprar todo tipo de artigos fabricados na China.

Um aumento nos salários pode também levar a uma maior inflação na China. No passado, a inflação semeou o descontentamento social.

A causa imediata da escassez é o fato de milhões de trabalhadores migrantes terem voltado para casa para passar o Ano-Novo chinês no início do mês, sem retornar à costa. Graças a um programa governamental de estímulo avaliado em meio trilhão de dólares, postos de trabalho vêm sendo criados no interior do país.

Mas muitos economistas dizem que o recente declínio econômico mundial também ocultou uma tendência de prazo mais dilatado: a China esgotou suas antes vastas reservas de trabalhadores desempregados nas áreas rurais e está ficando sem novos funcionários para suas fábricas.

Já que a China não costuma divulgar estatísticas regulares e confiáveis sobre a situação do emprego no país, os salários são considerados o melhor indicador de uma escassez de mão de obra. E as agências de empregos temporários aqui em Guangzhou elevaram o salário dos funcionários das fábricas para US$ 1,17 a hora, um aumento em relação aos US$ 0,95 pagos antes do feriado do Ano Novo.

Dois anos atrás, o salário era de US$ 0,80 por hora, mas a crise financeira global deprimiu os salários e a demanda.

O retorno dos migrantes disparou esta semana uma busca desesperada para recrutar os poucos trabalhadores que desembarcavam de longas viagens de ônibus e trem, vindos do interior.

Num centro de empregos administrado pelo governo na região central de Guangzhou, o número de empregadores superava o de candidatos na tarde de quinta feira.

Do lado de fora, Liang Huoqiao, funcionário da indústria plástica de 22 anos, juntou-se a um pequeno grupo de homens e mulheres que estudava uma imensa lista de empresas que estavam contratando. “Pode-se ir a qualquer fábrica para receber um emprego”, disse ele.

O jornal oficial China Daily disse na quinta feira que as pesquisas realizadas com empregadores mostravam que um em cada 12 trabalhadores migrantes não deveria retornar à província de Guangdong. Cidades mais ao norte na costa chinesa também estão ficando sem trabalhadores; somente em Wenzhou é anunciada a falta de até um milhão de trabalhadores. Funcionários do governo da província de Guangdong anunciaram na quarta-feira que estavam avaliando a possibilidade de um aumento no salário mínimo, que varia entre US$ 113 e US$ 146 mensais de uma cidade para a outra.

Salários mais altos podem aliviar a escassez de mão de obra ao levar as fábricas a reduzir o seu número de funcionários.

Mas muitas fábricas já oferecem salários bem acima do mínimo. Elas temem novos aumentos salariais porque não estão certas de que poderão repassar o aumento aos consumidores – em especial para os importadores americanos e europeus, em dificuldades econômicas.

Um aumento nos salários sugere o ressurgimento de uma escassez de trabalhadores que já começava a se tornar aparente mesmo antes da crise financeira. Uma pesquisa realizada pelo governo três anos atrás em 2.749 vilarejos de 17 províncias descobriu que, em 74% delas, não restava mais ninguém suficientemente saudável para ir trabalhar nas fábricas das cidades – o pool de trabalhadores tinha se esgotado.

No fim de 2008 e início de 2009, demissões em massa decorrentes da crise financeira mundial mascararam temporariamente a crescente escassez de trabalhadores industriais. Mas duas poderosas tendências agiam para reduzir a oferta de jovens que se encaminhavam para as fábricas.

Uma delas é o fato de o governo chinês ter promovido uma rápida expansão na educação superior. Universidades e outras instituições do ensino superior receberam 6,4 milhões de matrículas no ano passado, em comparação às 5,7 milhões registradas em 2007 e às apenas 2,2 milhões registradas em 2000. Ao mesmo tempo, a taxa de natalidade chinesa tem recuado constantemente desde a implementação da política de “filho único” em 1977.

Hoje, a oferta de empregos no interior do país é muito maior. Isso porque projetos governamentais, como estradas de ferro e a construção de outras vias de transporte, absorveram milhões de trabalhadores, principalmente depois que Pequim destinou quase US$ 600 bilhões em estímulo econômico para os gastos em 2009 e 2010.

Tradução de Augusto Calil

Câmbio real e crescimento econômico

9:46 am

dollar_sign

Por Affonso Celso Pastore

Os críticos do atual regime cambial brasileiro propõem que o governo exerça maior grau de arbítrio, sustentando a taxa cambial em um nível permanentemente mais depreciado. Com isso, segundo eles, o Brasil geraria um aumento das exportações líquidas, provocando superávits nas contas correntes e transformando-se em um exportador de capitais, mas colhendo, em contrapartida, a aceleração do crescimento econômico. O exemplo da China, com superávits nas contas correntes, acumulação de reservas e manutenção de altas taxas de crescimento, é usado para confirmar a vantagem da proposta.

Mas será que a pura e simples manutenção do câmbio mais depreciado nos levaria de fato ao crescimento acelerado e a superávits nas contas correntes?

Para responder a essa indagação, temos de ir além da definição contábil de que os superávits nas contas correntes são o excesso de exportações sobre as importações de bens e serviços. Do ponto de vista econômico, o país gera superávits quando e somente quando poupa domesticamente mais do que investe, o que significa que gera um produto maior do que a demanda total doméstica.

A China tem uma taxa de investimentos perto de 45% do PIB, que é o triplo da média brasileira dos últimos anos, mas tem taxas de poupança ainda maiores. A demanda doméstica menor do que a produção é consequência do fato de sua poupança ser maior que os investimentos, explicando a geração dos superávits nas contas correntes. É a enorme taxa de investimentos, de 45% do PIB, que explica o seu sucesso em manter taxas de crescimento tão elevadas, e é o excesso das poupanças domésticas sobre os investimentos que explica os superávits nas contas correntes.

O Brasil, ao contrário, tem poupanças domésticas baixas, e sempre que a taxa de investimentos aumenta, acelerando o crescimento do PIB, surgem déficits nas contas correntes. O Brasil não é um exportador de capitais, e os investimentos exigem a complementação das poupanças externas, que são importadas através dos déficits nas contas correntes.

Os dados das contas nacionais mostram que, quando os déficits nas contas correntes se elevam, há também alguma elevação do consumo, o que indica que existe alguma substituição de poupanças domésticas por poupanças externas. Mas essa substituição é apenas parcial, porque a maior parte dos déficits se destina a financiar o aumento dos investimentos, e não do consumo.

Quem duvidar dessa proposição é convidado a procurar os dados das contas nacionais, e dividir tanto a formação bruta de capital fixo (os investimentos) quanto as importações líquidas (o déficit nas contas correntes) pelo PIB, superpondo as duas séries. Quem fizer isso vai assustar-se com a forte correlação entre as duas séries, mostrando que sempre que os déficits em contas correntes se elevam crescem, também, as taxas de investimento. Conclui-se que as poupanças externas são predominantemente usadas para elevar a capacidade produtiva, contribuindo para o crescimento econômico.

Diante dessa evidência, o Brasil tem pela frente dois caminhos para manter taxas elevadas de crescimento. O primeiro é alterar radicalmente suas políticas econômicas, visando a elevar as poupanças totais domésticas, livrando-se da dependência das poupanças externas. Para tanto, teria de começar elevando a poupança do governo, reduzindo os gastos públicos correntes e as transferências de renda que estimulam o consumo privado.

Mas, na ausência de uma inflação inesperada, que corte gastos públicos em termos reais, sua redução seria extremamente lenta e exigiria um esforço enorme. Não nos parece que esse objetivo esteja na agenda de qualquer candidato a presidente da República. Por isso, não tenho esperanças de trilharmos o caminho chinês.

O segundo caminho é aceitar que as poupanças domésticas são baixas e, para acelerar o crescimento econômico, teremos de conviver com os déficits mais elevados nas contas correntes. Como essa parece ser a escolha mais provável, cabe discutir os limites, as consequências e os riscos dessa opção.

Uma consequência está associada à valorização cambial. Um aumento das importações líquidas de bens e serviços somente se dá com o câmbio real valorizado, o que pode ocorrer ou através de ingressos de capitais que valorizem o câmbio nominal ou através de maior inflação. Se fosse possível impedir, ainda que parcialmente, os ingressos de capitais, o País não teria como financiar a totalidade dos déficits nas contas correntes necessários para elevar as poupanças que faltam para financiar os investimentos maiores. O câmbio real seria mais depreciado, mas as taxas de crescimento econômico seriam menores.

Qual é o limite para esses déficits nas contas correntes? Da mesma forma como qualquer governo colhe o aumento da dívida pública ao gerar déficits públicos, o País vê seu passivo externo líquido crescer quando acumula déficits persistentes nas contas correntes, quer esse passivo ocorra na forma de dívida externa (pública e privada) quer ocorra na forma de investimentos (diretos ou em ações).

Embora seja preferível um passivo maior na forma de investimentos do que na forma de dívida (os investimentos trazem mais tecnologia, aumentando a produtividade), em ambos os casos são gerados encargos. Em economia “não há almoço gratuito”. Um passivo acumulado na forma de dívida externa (pública ou privada) gera o encargo dos juros e, se for acumulado na forma de investimentos diretos (ou de ações), gera o encargo dos lucros e dividendos.

Por isso, países com um passivo maior têm um câmbio real de equilíbrio mais depreciado. Em 2002, o passivo externo líquido brasileiro caminhava em torno de 50% do PIB, por isso o câmbio real de equilíbrio teria de ser, como era, mais depreciado do que em 2008, quando o passivo externo brasileiro era bem menor, em torno de 20% do PIB.

Se estivermos diante de uma sequência de anos de taxas mais elevadas de investimento, temos de estar preparados para uma sequência de anos de déficits mais elevados nas contas correntes, o que significa uma elevação contínua do nosso passivo externo líquido.

Os déficits nas contas correntes muito elevados contêm a semente de sua própria destruição ao exigirem, depois de algum tempo, a depreciação do câmbio real de equilíbrio para financiar os encargos de um passivo externo líquido mais elevado. Poderemos crescer temporariamente mais apenas enquanto a restrição imposta por um passivo externo mais elevado não nos tolher.

Ao consumir mais no presente, poupando menos, somos empurrados para a necessidade de absorver poupanças externas, que, por algum tempo, podem financiar taxas mais elevadas de investimento. Mas a absorção das poupanças externas tem limites, o que, por sua vez, coloca um limite às taxas de investimento. O ideal seria elevar as poupanças domésticas, reduzindo aquela limitação. Nada substitui a necessidade de enfrentar as reformas, no campo fiscal, que elevem as poupanças domésticas e preparem o País para um crescimento mais acelerado.

Neste ponto cabe uma advertência: aceitar um câmbio mais apreciado não significa aceitar um câmbio sobrevalorizado. Ondas de ingressos de capitais produzem ciclos de valorização do câmbio nominal, o que, diante do grau de inércia que existe nos preços nominais, pode levar o câmbio real atual abaixo do câmbio real de equilíbrio, provocando a sobrevalorização cambial.

Os países emergentes são por vezes agredidos por ondas enormes de ingressos de capitais. Um tsunami como esse ocorreu nos anos 1990, logo após a fase mais aguda da crise da dívida dos anos 1980, e é essa a história de muitos países que cresceram acima de seus próprios meios no período anterior ao início da atual crise mundial, beneficiando-se dos ingressos de capitais gerados pela liquidez internacional excessiva.

O Brasil é, frequentemente, vítima dessas ondas de ingressos de capitais, e isso justifica que o Banco Central intervenha no mercado de câmbio para evitar uma valorização excessiva do real. Essas intervenções são legítimas e bem-vindas porque nos preparam para absorver choques externos, como ficou provado na atual crise mundial, e evitam que tenhamos a ilusão de um crescimento sustentável maior, quando estaríamos apenas criando uma crise futura.

Mas as intervenções para acumular reservas diferem de ações mais profundas, tentando controlar o próprio câmbio real, como querem os que buscam enquadrar o Brasil à força no modelo chinês de crescimento econômico. Entre outras coisas, as intervenções no mercado de câmbio devem permanecer exclusivamente nas mãos do Banco Central, não havendo nenhum sentido econômico para a criação de um fundo soberano de riqueza. Afinal, o Brasil não tem excesso de poupanças sobre os investimentos, o que, naturalmente, permitiria que investisse esse excesso em ativos no exterior.

Na qualidade de importador de capitais, um fundo soberano de riqueza somente pode acumular ativos internacionais gerando dívida pública, o que é um absoluto contrassenso.

Luiz Carlos Bresser-Pereira fez uma crítica ao artigo acima. Ver aqui.

Estatais? Para que?

9:41 am
O discurso estatizante voltou - Já viram o novo comercial do Banco do Brasil sobre o garoto que quer ser dono do banco?

O discurso estatizante voltou - Já viram o novo comercial do Banco do Brasil sobre o garoto que quer ser dono do banco?

Por Suely Caldas*

O socorro financeiro de governos de países ricos a grandes bancos afetados pela crise animou integrantes do PT e do governo Lula a tirarem do baú convicções que foram forçados a esconder por 20 anos com a derrota do velho socialismo e a queda do Muro de Berlim. Com a euforia de quem passou esse tempo na retranca e agora vai à forra, a ministra Dilma Rousseff e o assessor especial de Lula Marco Aurélio Garcia condenaram a economia de mercado e aproveitaram para defender e justificar a presença forte do Estado na economia. Dilma chegou a afirmar que a ideia de livre mercado está fora de moda.

No afã de partir para o ataque, os dois esqueceram de criticar o que merece ser criticado e corrigido e se destrambelharam em análises apressadas e inadequadas. Onde o socorro financeiro ocorreu – EUA, Europa e Japão – não se cogita abrir mão da economia de mercado, e propostas na direção de estatizar os bancos que receberam socorro foram rejeitadas pelos governantes.

Nessa crise, erraram os bancos centrais, o BIS, que os supervisiona, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e as agências de risco – que não regularam, não fiscalizaram, não anteviram nem preveniram a crise. Essa cadeia de omissões, aliada à ganância por lucro elevado e rápido, incentivou executivos financeiros a fazerem apostas erradas e milionárias, num jogo especulativo e irresponsável com dinheiro alheio, que acabaram por criar uma situação de quebradeiras em série, em que os governos tiveram de intervir para evitar o pior.

Menos do que o tamanho da crise recomenda, governos e bancos centrais buscam agora corrigir seus erros submetendo o mercado a regras de regulação e fiscalização. Isso, sim, merece ser duramente criticado e corrigido e os especuladores, julgados. Não ensejar o ingênuo e ultrapassado desejo de recuperar para o Estado o papel de empresário – modelo derrotado nos países da União Soviética e do Leste Europeu e que só sobreviveu com a população silenciada, sem liberdade, sem direito a votar nem opinar. Modelo que atrofiou a economia, não produziu riquezas nem novas tecnologias. Nele, a população estava condenada à pobreza, os salários eram baixíssimos, não havia previdência para os idosos nem direitos trabalhistas para os trabalhadores.

Quando Nikita Kruchev e depois Mikhail Gorbachev começaram a destampar e remexer seu conteúdo, dessa panela transbordou o que ficou escondido por décadas: milhares de opositores assassinados, corrupção disseminada entre governantes e burocratas, gestões medíocres e incompetentes, empresas paralisadas e acomodadas, tecnologia primitiva, pobreza espalhada pela população e um gigante e rico poderio bélico-militar a sustentar a guerra fria.

No Brasil, empresas estatais foram criadas em dois momentos. Por Getúlio Vargas, a partir da década de 40, com Vale, Petrobrás e CSN. Foi o que deu impulso à industrialização – o que, na época, seria quase impossível fazer sem a participação do Estado. Juscelino Kubitschek acelerou a industrialização atraindo empresas privadas estrangeiras. Hoje reverenciado à esquerda e à direita, na época foi xingado de entreguista.

Num segundo momento, as estatais ganharam espaço e musculatura com a ditadura militar de 1964. Telebrás, Siderbrás, subsidiárias da Petrobrás, Eletrobrás vitaminada, bancos estaduais, enfim, centenas de estatais criadas pelos generais ditadores, num modelo típico de capitalismo de Estado, uma vez que defensores do socialismo eram reprimidos, presos e torturados.

A quem serviram as estatais? Hoje, com o distanciamento do tempo e centenas de casos conhecidos de corrupção, escândalos financeiros e uso político, é possível dizer que as estatais serviram muito mais a presidentes, governadores, prefeitos, deputados, senadores e seus amigos do que aos brasileiros.

As distribuidoras de energia elétrica e os bancos estaduais eram descaradamente usados como caixa de governadores para financiar campanhas eleitorais. O setor elétrico (Eletrobrás e subsidiárias) foi por anos feudo do senador baiano Antonio Carlos Magalhães, transferido depois para o senador José Sarney. A Telebrás e as telefônicas estaduais eram inchadas de apadrinhados, prestavam favores aos políticos, enquanto a população mendigava uma linha telefônica, que custava R$ 5 mil.

Pois agora, com todo esse lamentável histórico, em vez de um programa de governo para a banda larga, Lula e Dilma querem ressuscitar a Telebrás e criar uma nova estatal de fertilizantes. Para quê?

*Suely Caldas, jornalista, é professora de Comunicação da PUC-Rio (sucaldas@terra.com.br)

estatizacao-01

O que leva Lula a se aproximar do Irã

9:29 am

lula_afp

Por Andrés Oppenheimer*

O importante apoio diplomático do Brasil ao regime cada vez mais isolado do Irã deixa atônita a comunidade internacional. Há várias teorias sobre o comportamento do Brasil, algumas bastante perturbadoras.

Nos últimos dias, quando a tradicionalmente cautelosa Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU finalmente concluiu que o Irã provavelmente vai desenvolver uma arma nuclear, e até a Rússia começou a se distanciar do Irã, o o presidente Luiz Inácio Lula da Silva manterá seus planos de visitar o Irã em 15 de maio.

O Brasil, uma das potências ascendentes do mundo, dará, assim, uma legitimidade a um regime que, além de burlar as normas internacionais sobre energia nuclear, é considerado por boa parte do mundo um dos principais patrocinadores do terrorismo.

O Irã é conhecido também por ajudar grupos terroristas islâmicos como o Hezbollah, e promete publicamente varrer Israel da face da Terra. Até o governo populista argentino, que normalmente se alinha com o Brasil em questões de política externa, diz que o Irã esteve por trás dos atentados terroristas do Hezbollah em Buenos Aires nos anos 90.

No fim do ano passado, Lula surpreendeu o mundo ao receber com tapete vermelho em Brasília o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. O Brasil tornou-se, assim, um dos primeiros países não radicais a dar sua bênção a Ahmadinejad após as controvertidas eleições de 12 de junho de 2009.

Por que o Brasil está colocando em risco sua reputação de bom cidadão internacional fazendo isso? Entre as teorias mais disseminadas:

Presunção. Segundo essa escola de pensamento, o sucesso econômico do Brasil e a sabedoria convencional de que ele forma com a China e a Índia as potências emergentes do mundo, subiram à cabeça de Lula.

O brasileiro, que recentemente previu que o Brasil será a quinta maior economia mundial em dez anos, quer enviar uma mensagem de que seu país é um novo ator global que terá de ser levado a sério. E a teoria prossegue: o que poderia ser melhor para atrair a atenção mundial que ter um papel no conflito internacional do momento?

Devaneio diplomático. Lula, encorajado pelo status de celebridade em seu país e no exterior, pode estar levando a sério suas reiteradas ofertas de mediar a crise no Oriente Médio. Lula tem programada uma visita a Israel, aos territórios palestinos e à Jordânia dia 15.

Embora seja difícil de acreditar que Lula possa resolver alguma coisa no Oriente Médio – durante uma visita recente aos Emirados Árabes Unidos e a Israel, não encontrei uma única pessoa que me dissesse que Lula tem alguma chance de obter sucesso onde poderosos mediadores americanos, franceses e russos fracassaram – o presidente brasileiro pode honestamente pensar que conseguirá fazer história.

Ambições nucleares secretas. Lula está sendo cordial com o Irã porque o Brasil quer desenvolver armas nucleares, ou ao menos deixar essa opção em aberto após a vizinha Venezuela ter assinado vários acordos de cooperação nuclear com o Irã.

Com isso em mente, o Brasil pode querer que um outro país – neste caso o Irã – alargue os limites dos acordos nucleares mundiais existentes e crie um precedente.

Política doméstica. Lula está tentando apaziguar seus apoiadores esquerdistas do Partido dos Trabalhadores, a maioria dos quais é ferozmente antiamericana, projetando-se como um estadista vigorosamente independente, enquanto persegue suas políticas favoráveis à economia empresarial.

Minha opinião: é uma combinação da primeira teoria, presunção, com a segunda, devaneio diplomático. Mas não posso deixar de me perguntar se a presunção não conduzirá, mais cedo ou mais tarde, a mais ambições nucleares. Por enquanto, as aberturas do governo brasileiro a Ahmadinejad estão sabotando esforços internacionais para pressionar o Irã a cumprir acordos da ONU e encorajando um regime repressivo nesse país.

*Andrés Oppenheimer é analista político e colunista

Cartunista Solda

27 de fevereiro de 2010 10:59 am

vida-publica

Enquanto isso, na sala de justiça…

10:57 am

tiagote5